Não passei na OAB, e agora? Saiba lidar com a reprovação

Ser aprovado na OAB é a porta de entrada para o exercício da atividade jurídica. Por mais que o exame seja alvo de muitas críticas — principalmente por ser um elemento de exclusão do mercado de trabalho —, ele é obrigatório para aqueles que querem seguir a carreira de advogado.

Com índices altíssimos de reprovação, não é nenhuma surpresa que o Exame da OAB seja o terror dos estudantes de Direito. Só essa informação já é suficiente para deixar os candidatos ansiosos e pressionados, o que, por sua vez, pode ser a causa do fracasso.

Se você não conseguiu ser aprovado, não se preocupe! O importante é tentar de novo e não ficar desmotivado. Essa é a hora de se perguntar “Por que eu não passei na OAB?” e entender os motivos que causaram essa reprovação para que eles não se repitam da próxima vez. Para isso, vamos listar aqui algumas dicas que ajudarão você nessa etapa. Confira!

Entenda seus erros

São diversos os motivos que podem levar à reprovação na OAB: falta de estudo, nervosismo, ausência de um cursinho preparatório, indisciplina, entre outros. Compreender os fatos que impediram seu sucesso é o ponto de partida para se guiar nos próximos estudos.

Antes de mais nada, analise a prova para descobrir quais foram seus erros e acertos. Dessa forma, será possível destacar seus pontos fracos e trabalhar neles para que esses mesmos erros não sejam cometidos da próxima vez.

Feito isso, é hora de erguer a cabeça e traçar novas metas de estudos para tentar mais uma vez. Não adianta ficar triste ou desmotivado. É preciso ter persistência para alcançar a tão sonhada aprovação!

Revise seus métodos de estudo

Diversos candidatos reclamam que, mesmo se dedicando ao máximo, foram reprovados. Se você se identifica com essa situação, então talvez seja hora de revisar seus métodos de estudo.

Existem diversas formas de se preparar para o Exame da OAB. A quantidade não necessariamente condiz com a qualidade. Pode ser que você esteja estudando cinco horas por dia, porém de forma ineficiente. Nesse caso, por mais dedicado que seja, seu aprendizado provavelmente não rende o tanto que deveria.

A leitura incessante do Vade Mecum e de doutrinas não é a forma mais eficiente de se preparar. É preciso também dedicar um tempo para resolver exercícios, fazer resumos, ver aulas online e mesclar tudo isso com intervalos de descanso que permitam que sua mente absorva todas as informações.

Em vez de ficar lamentando e repetindo para si mesmo “eu não passei na OAB”, é preciso parar de insistir no erro e adotar novas formas de estudo que garantam sua aprovação.

Crie uma nova rotina

Não basta apenas modificar a metodologia de estudos para ter sucesso. É preciso também criar um cronograma consistente, capaz de abranger todos os pontos mais importantes para a prova da OAB.

Aproveite que você já sabe como o exame funciona e quais são as matérias mais cobradas e faça uma rotina capaz de dividir o tempo de estudos entre todas as disciplinas. Leve em consideração seus pontos fracos e fortes: reforce os conteúdos que você tem mais dificuldade em aprender e revise aqueles que forem mais fáceis.

É importante estudar todos os dias. Mesmo que você tenha uma rotina muito corrida, tente dedicar pelo menos alguns minutos aos estudos. Isso pode ser feito em qualquer tempo livre que surgir, até mesmo durante a ida e volta do trabalho ou da faculdade.

Com um bom cronograma de estudos, você logo vai perceber que o aprendizado fluirá de forma muito mais rápida.

Combata a ansiedade

Muitas vezes, a causa da reprovação na OAB não é a falta de estudos, mas sim a desestruturação psicológica dos candidatos.

Por mais que o exame seja difícil, é preciso manter a calma para conseguir estar entre os 20% de aprovados. O medo da reprovação pode muito bem ser a causa do fracasso.

Se você é uma pessoa muito ansiosa e sente que isso a atrapalha no momento da prova, talvez seja uma boa ideia buscar um apoio psicológico e procurar formas de tratar esse nervosismo para que ele não seja um empecilho no dia do exame.

Esqueça, por um momento, a cobrança de familiares, amigos e da carreira jurídica como um todo. Durante a prova, é preciso focar apenas em resolver as questões com calma e tranquilidade.

A ansiedade abre caminho para que erros bobos sejam cometidos, como errar na hora de passar o gabarito para a folha de resposta. Liberte-se desses medos e acredite que você tem o potencial para passar.

Invista em um curso preparatório

As faculdades de Direito muitas vezes não conseguem preparar seus alunos de forma eficiente para a prova da OAB. Isso mais uma vez é refletido no alto índice de reprovação. Muitos candidatos tentam estudar por conta própria, mas isso nem sempre é o suficiente.

Se você está fazendo tudo que está ao seu alcance e, mesmo assim, ainda não conseguiu a aprovação na OAB, então, talvez seja hora de investir em um curso preparatório. Assim, será possível contar com bons professores e excelentes materiais elaborados com foco no exame.

Ter uma ajuda especializada pode ser exatamente o que você precisa nesse momento. O apoio de um bom curso preparatório leva em conta as dificuldades de cada candidato, contribuindo inclusive para aliviar a ansiedade.

Além disso, ao escolher um curso online, você terá a vantagem de poder assistir às aulas no seu próprio ritmo, sem sequer precisar sair de casa. Será possível poupar um tempo precioso, que poderá ser destinado à otimização do aprendizado!

Não se esqueça da repescagem

Desde 2013, a FGV passou a dispor no edital da prova da OAB uma nova possibilidade de inscrição apelidada de “repescagem”. Mas, afinal, o que é isso?

Caso o candidato tenha sido aprovado na primeira fase, porém reprovado na segunda, existe a possibilidade de pular direto para a prova discursiva no próximo exame, sem precisar repetir a prova objetiva. Dessa forma, você precisará estudar apenas para a segunda etapa.

É possível também redefinir qual será a área jurídica de sua preferência. Portanto, se você se arrependeu da escolha feita no exame anterior, não seu preocupe, pois agora você poderá trocá-la!

O ponto positivo da repescagem é que não será necessário estudar todas as matérias novamente, mas somente aquela que você escolher para a segunda fase. Assim, você conseguirá otimizar seus estudos, com tempo de sobra para focar apenas no necessário para ser aprovado!

A reprovação na OAB não é o fim do mundo. É comum que diversos bacharéis em Direito demorem para conseguir passar no exame. Se você ainda não conseguiu, o importante é que não fique desmotivado. É preciso erguer a cabeça e fazer tudo que estiver em seu alcance para que da próxima vez consiga! Questione-se “Por que não passei na OAB?”, aprenda com seus erros e foque nos estudos!

Aproveite que você já conhece nossas dicas e compartilhe este post com seus amigos nas redes sociais para que eles também se sintam motivados!

Entenda como funciona a repescagem para a OAB

A prova da OAB é um marco na carreira de todo advogado. É com a aprovação no Exame que os bacharéis em Direito são autorizados a exercer a profissão. Composta de 2 fases, a prova permite que o candidato reprovado na segunda fase faça novamente essa etapa, sem passar pela primeira. É a chamada “repescagem” para a OAB.

Se você não conhecia essa possibilidade ou quer saber mais detalhes sobre o assunto, leia este post até o fim e confira!

O que é a repescagem para a OAB?

A repescagem para a OAB, também chamada de reaproveitamento da prova, começou a ser permitida a partir de 2013. A primeira vez que a repescagem ocorreu foi no XIII Exame da Ordem, aplicado em fevereiro de 2014. Antes disso, quem havia sido reprovado na segunda etapa deveria passar novamente pela primeira etapa no próximo Exame.

Com a adoção da repescagem no Exame da Ordem, o candidato que foi aprovado na prova objetiva, mas reprovado na discursiva, terá a oportunidade de fazer novamente a última fase, sem passar pela primeira. Assim, o bacharel poderá pular a etapa na qual ele foi aprovado e fazer somente a prova da segunda etapa.

Cabe ressaltar que o reaproveitamento da prova da OAB só pode ser usado uma vez pelo candidato. Então, se ele for novamente reprovado na segunda etapa, terá de fazer as provas das duas etapas da próxima vez.

Além disso, é interessante mencionar também que, para usufruir desse benefício, o candidato deverá ter feito a prova discursiva. Por isso, quem foi aprovado na prova objetiva, mas não compareceu à prova da 2ª fase, não poderá pedir reaproveitamento.

Para realizar a inscrição com repescagem, o candidato deverá acessar o site da prova da OAB e fazer todo o procedimento normalmente, como se estivesse se inscrevendo pela primeira vez.

O pedido de reaproveitamento da primeira etapa é feito nesse momento, por meio de um formulário específico. Lembrando que, para esse caso, a inscrição só pode ser feita online, em um período determinado previamente no edital.

Se o pedido de repescagem for homologado pela OAB, o candidato poderá fazer a prova da 2ª etapa no Conselho Seccional da OAB do estado em que se formou ou no estado sede de seu domicílio eleitoral.

Quais são as perspectivas de aprovação?

O candidato que utiliza a repescagem para a OAB tem mais vantagens em relação aos outros candidatos. Como a segunda fase é concentrada em uma área específica do Direito, os seus estudos são muito mais focados. É que, ao contrário da primeira fase, em que são cobradas questões de todo o curso, a segunda é dedicada unicamente à área escolhida pelo candidato.

Ademais, o estudante que se preparou para o Exame de Ordem desde a primeira tentativa está muito mais preparado do que aquele que vai começar a estudar agora. Ele já conhece toda a estrutura da prova da segunda etapa e sabe qual tipo de questão é mais cobrado.

Além de saber como funciona a avaliação, reconhece também os seus pontos fortes e os fracos. A dica, aqui, é analisar a correção da banca do Exame e verificar como ela é feita e quais foram os seus erros. Diante das questões que errou, conseguirá traçar um plano de estudos que foque nas suas principais dificuldades.

O candidato, então, dedicará seu tempo para melhorar os temas da matéria que ele ainda não conseguiu assimilar muito bem.

Para se preparar, outra dica é refazer a prova na qual foi reprovado antes de iniciar novamente os estudos. A prática é válida porque, muitas vezes, os candidatos erram detalhes por pura falta de atenção ou nervosismo. Se, em casa, a nota foi melhor, pode ser que o psicológico deva ser trabalhado pelo candidato.

Mas, se o problema está na peça processual que é cobrada na segunda etapa, praticar é o melhor caminho. O candidato pode estabelecer uma meta de elaborar, pelo menos, duas peças por dia, antes da prova.

Para tanto, ele poderá refazer as peças solicitadas nos Exames anteriores e procurar casos concretos, na internet ou em revistas especializadas em Direito, para simular as propostas que são cobradas na prova.

O importante é ter foco no resultado e não desistir em nenhum momento. Se o candidato foi para a repescagem, ele está praticamente com a carteirinha da OAB na mão. Por esse motivo, é essencial que ele não desista e dedique todos os seus esforços à aprovação.

É verdade que eu posso mudar de disciplina?

Sim, é verdade! Na segunda etapa, o candidato que optar pelo reaproveitamento para a OAB poderá escolher uma nova área do Direito. Para quem não sabe, são seis opções de disciplinas oferecidas aos candidatos: Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Civil, Direito Penal, Direito Empresarial, Direito do Trabalho e Direito Tributário.

Nesse sentido, aquele que, inicialmente, optou pela segunda etapa em Direito Civil, por exemplo, poderá alterar a área jurídica para Direito Penal, sem qualquer restrição.

Vale lembrar que essa alteração deve ser feita no momento da solicitação da repescagem para o Exame da Ordem. Se passar esse prazo, a área jurídica continua sendo a da primeira tentativa do candidato.

Além de poder tentar de novo, essa é mais uma possibilidade de aprovação na prova prático-profissional. Isso acontece porque o bacharel pode ter percebido, na primeira tentativa, que não tem tanto conhecimento na área que escolheu ou que tem mais afinidade com alguma outra área.

Como fica o pagamento?

O benefício proporcionado pela repescagem na OAB não é só a economia de tempo e de estudos. A economia também é sentida no bolso, já que, nessa modalidade, o candidato não precisará pagar o valor integral da taxa de inscrição. Para aproveitar a nota da primeira etapa, ele deverá arcar apenas com 50% do valor pago para se inscrever.

É como se a taxa de inscrição do Exame da Ordem fosse dividida entre as suas duas fases. Metade para pagar a prova objetiva e a outra metade para a prova discursiva. Logo, o bacharel que passou na primeira fase não precisará pagar novamente por ela. Ele pagará só o valor correspondente à segunda fase, na qual ainda precisa obter a aprovação.

Viu como o reaproveitamento é uma oportunidade incrível para garantir de vez a sua aprovação na prova da OAB? Com um estudo focado na área jurídica escolhida e nos aspectos que precisam ser melhorados pelo candidato, o sucesso é certo!

E você, vai usar a repescagem para a OAB? Já tentou aproveitar a nota da 1ª fase? Compartilhe as suas experiências nos comentários do post, tire todas as suas dúvidas e ajude outros candidatos a obter suas aprovações!