Preciso me preocupar com a ambientação dos meus estudos?

Primeiramente, é importante destacar que esta pergunta vem se tornando ultimamente bastante popular entre os examinandos e concurseiros, porque antigamente se preocupar com o ambiente de estudos não era tão comum.

Há alguns anos, ao tempo dos cursos presenciais, seguia-se à risca do que se fazia em sala de aula e depois em casa: bastava uma cadeira e mesa. Pode-se dizer que todo quarto, além da cama e de um armário, tinha uma escrivaninha. Creio que esta palavra esteja em desuso, porque os projetos atuais de muitos arquitetos não fazem mais parte do contexto de um dormitório de criança ou juvenil.

Claro que com o advento da internet, especialmente, do wifi, qualquer lugar é lugar para estudar e aprender. Os cursos online democratizaram não só o aprendizado como também todos os outros cômodos da casa. Voltando para a arquitetura, os novos apartamentos não trazem mais “gabinetes” (ou escritórios), muito menos o web space, que era um lugar onde ficava o computador com internet, geralmente, uma escrivaninha com cadeira.

De tudo isso, se facilitou o acesso ao aprendizado, também os alunos perderam uma referência de local de estudos. Por isso, pensar em “ambiente” era a última coisa que os estudantes perguntavam, porque qualquer lugar seria apto a aprender: cama, rede, sala, cozinha, sacada, pátio, etc. Ocorre que a virtude da independência de cabos e do modo de assistir a vídeoaulas (tablets, smartphones, notebook,…) trouxe também a distração. E ela é fatal para o aprendizado.

Assim, a pergunta sobre como fazer um ambiente saudável para estudar voltou à moda. Veja que inclusive surgiu um paradoxo com ela. Muitos empreendedores perceberam a dificuldade da ambientação correta e criaram salas com cabines de estudos. O estudante paga por horas ou diárias e passa o tempo que for necessário nelas. Para quem nunca viu como são, é praticamente o que eram as cabines de lan houses, numa época bastante remota que a internet rápida ou a cabo era para poucos.

Então a resposta para pergunta é: sim!

E como fazer um ambiente saudável para os estudos? É voltar ao passado. Cadeira e mesa resolverão grande parte do problema, mas com algumas observações. A cadeira não pode ser muito confortável a ponto de adormecer os pensamentos. Deve, antes de tudo, ser anatômica. E a mesa precisa estar organizada, apenas com o essencial em cima dela para evitar distrações. Fotografias estão proibidas, como também objetos que trazem lembranças, porque “lembrar é viajar no tempo”. Tudo o que tirar a sua atenção deve ser repelido.

Se for assistir a vídeoaulas, o ambiente precisa estar dedicado a isso. Por que será que no cinema apagam as luzes antes de começar o filme? Para concentrar-se no que interessa: a projeção. Então, evite um local muito claro, apenas o mínimo para fazer anotações, consultar o código ou livros.

Se é o momento da leitura, prefira luzes de abajures para trazer luminosidade focada sobre as páginas de livros. Observe, ainda, a questão sonora do local. Se barulhos lhe incomodam, é melhor procurar bloqueá-los. Há fones que ajudam nesta tarefa, os tais “abafadores de ruídos”, aqueles que os operários utilizam em obras, por exemplo. Para videoaulas, utilize fones.

Cuidado ao estudar próximo de janelas, não que você cairá delas, mas trazem uma oportunidade incrível de distração. Mantenha fechadas, por isso, não importa se o seu lugar de estudos tem ou não janelas. A ambientação também pede uma temperatura agradável ou se o sono pesar, prefere-se que o lugar esteja mais frio do que o necessário, o que mantém vigilante os sentidos. E tratando-se de “janelas”, é importante durante as videoaulas fechar todas elas e as abas do navegador para evitar que os alertas virtuais lhe tirem a atenção.

Por fim, alimentação e descansos também são assuntos dentro da temática da ambientação. Comida leve e muita água servem para manter ativo todo o seu sistema corporal, especialmente, o cérebro funcionando bem. Claro, não esqueça da máxima: “Foco, Força, Fé e Café”. Estimulantes naturais são altamente recomendados! Mas ninguém é de ferro, portanto, pausas são necessárias entre os estudos. A cada hora ou duas horas, uma pausa limitada de 10 minutos, o suficiente para levantar e se alongar.

Viu como a ambientação correta é poderosa para a aprovação? Escreva seu comentário a abaixo e conte pra gente: como é o seu ambiente de estudos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *