Por que a faculdade de Direito não garante a aprovação na OAB?

faculdade-de-direito-nao-aprova-oab

Por que a faculdade de Direito não garante a aprovação na OAB?

Um dos grandes desesperos de qualquer estudante de Direito é o famoso Exame da OAB. E isso não é de se espantar, pois, uma prova cuja média de aprovados está sempre em torno dos 20% é algo que parece realmente assustador à primeira vista.

O candidato, por outro lado, deve ter em mente que a bagagem de conhecimento adquirida no decorrer do curso de Direito nem sempre é suficiente para ser aprovado nesse exame tão temido, pois existe uma grande desproporção entre as avaliações de muitas instituições e o próprio exame.

São tantas as faculdades de Direito existentes no Brasil, que muitas delas sequer possuem o selo de recomendação da OAB. Diante desse cenário, pouquíssimas universidades conseguem realmente preparar o aluno para o Exame da Ordem, e como não é todo mundo que tem a oportunidade de estudar em uma grande instituição, esse desnivelamento acaba sendo prejudicial ao próprio candidato.

Além disso, cada pessoa tem suas próprias dificuldades e maneiras de estudar. E praticamente nenhuma faculdade possui um plano de ensino diferenciado, capaz de focar nas deficiências de conhecimento de seus alunos, pois já possuem rotinas de estudo previamente preparadas, desconsiderando a particularidade de cada um.

Como se já não bastasse a grande pressão para a aprovação na OAB, o aluno do curso de Direito também tem que se preocupar em conseguir seu diploma. Por essas razões, é preciso saber a melhor maneira de se preparar.

Pensando nisso, separamos aqui algumas dúvidas comuns em relação a essa preparação. Continue a leitura do post e descubra como garantir a sua aprovação na OAB, independentemente da sua faculdade!

É possível passar na OAB e garantir o diploma ao mesmo tempo?

É comum imaginar que a aprovação no Exame da Ordem requer uma dedicação exclusiva. Nesses momentos, o candidato normalmente começa a entrar em pânico e se questionar: mas e a faculdade? Eu preciso me formar! Como estudar para conseguir as duas coisas ao mesmo tempo?

Calma! Não é preciso se desesperar. É claro que é possível conseguir a aprovação na OAB e o seu diploma em conjunto — e não é necessário abrir mão de um para conquistar o outro. Até porque, se assim fosse, imagine quantos alunos trancariam a faculdade apenas para prestar o Exame da Ordem!

É claro, porém, que esse sucesso concomitante vai depender de muita dedicação e estudo!

A melhor dica aqui é saber o que estudar. Muitos alunos de Direito se perdem na hora do planejamento, e isso pode ser o diferencial entre o sucesso e a reprovação. Para ajudar, use provas antigas para saber quais são as matérias mais cobradas na OAB e foque nelas.

Em relação à faculdade, privilegie o estudo das matérias em comum com a OAB. Isso não quer dizer que você deve abandonar todas as outras, mas apenas que deve dedicar um pouco mais de atenção às disciplinas que também serão cobradas no exame.

Acima de tudo o que já foi dito aqui, é importante ressaltar que quem está se preparando para o Exame da Ordem não deve deixar os estudos para a última hora. Quanto antes você começar a se preparar, maiores serão as chances de aprovação e menor será o estresse para conseguir conciliar os estudos!

Por fim, não se esqueça de revisar as matérias. Mesmo que a faculdade não seja suficiente para prepará-lo, é inegável que, ao final do curso, você estará cheio de resumos, exercícios e um mínimo de conhecimento sobre os vários temas que serão cobrados na prova da OAB. Portanto, essa é a hora de pegar tudo isso e começar a revisão.

Vale ressaltar aqui que a insegurança é algo muito comum entre os candidatos. Caso você sinta que não está preparado, não hesite em buscar ajuda externa. Existem cursinhos que são voltados especificamente para o Exame da Ordem, com um foco personalizado nos conteúdos em que o aluno tem maior dificuldade.

Qual é o momento ideal para prestar o Exame da Ordem?

Antes de começar este tópico, vale lembrar que, para prestar o Exame da Ordem, o candidato deve estar matriculado nos últimos dois semestres ou no último ano do curso de Direito. Dessa forma, o estudante deve ter em mente que não adianta querer fazer a prova antes desse período — a não ser que seja como treineiro.

Nesse momento, você deve estar pensando nos vários casos em que um estudante que não cumpria esses requisitos conseguiu se inscrever e ser aprovado sem problema algum. Sim, realmente essas exceções existem, e todo mundo já ouviu falar de um caso parecido.

Ao que parece, isso depende da comissão seccional do exame: algumas flexibilizam essa previsão do edital, e outras não. Mas não tome isso como regra! Seria extremamente frustrante conseguir a aprovação na OAB apenas para descobrir que ela não pode ser aproveitada, pois você não cumpriu os requisitos na hora de prestar o exame.

É válido salientar aqui que, de acordo com o próprio edital, mentir na hora de se inscrever pode incorrer no crime de falsidade ideológica. Ou seja: mais um motivo para não se arriscar! O melhor a fazer é ir estudando e esperar o momento certo para realizar o exame.

Tendo isso em mente, voltemos à questão principal: não existe um momento ideal para fazer a prova. Isso varia de pessoa para pessoa. Porém, é bom lembrar que, quanto antes você tentar, melhor. Afinal, caso não consiga ser aprovado na primeira tentativa, ainda terá outras chances antes mesmo de se formar.

Ainda dentro desse questionamento, vale ressaltar que o candidato aprovado no exame só pode requerer sua carteira depois de concluir a faculdade. E, ao contrário do que muitos pensam, não existe um prazo limite para esse requerimento! Caso seja aprovado antes de se formar, você ainda poderá trancar a faculdade, repetir algum semestre ou até mesmo concluir o curso e esperar o tempo que quiser até fazer o requerimento da carteira. O certificado de aprovação na OAB não expira nunca!

Dessa forma, depois de aprovado, você pode ficar tranquilo para terminar seu curso e concluir o TCC. Quando terminar sua graduação, basta ter o seu diploma ou certificado de conclusão de curso em mãos para requerer a tão esperada carteira da OAB.

Faz sentido realizar a prova como treineiro?

No momento da inscrição no exame, o candidato pode escolher fazer a prova como treineiro. Isso significa que, apesar de fazer a mesma prova que todos os outros candidatos, sua nota não será considerada para o ingresso na Ordem.

Então a pergunta é: qual o objetivo de se fazer a prova como treineiro?

Bem, a resposta é simples: isso vai te ajudar a treinar — como o próprio nome diz!

Não há dúvidas de que a resolução de exercícios é uma excelente maneira de estudar. Nesse sentido, realizar a prova da OAB como treineiro é uma das melhores formas de se preparar.

Como a prova é a mesma para todos, você poderá se acostumar com o seu estilo e entender seu formato. Estudar com a ajuda de avaliações anteriores é uma ótima forma de treinar para o verdadeiro momento em que você prestará o exame como candidato.

E o melhor de tudo é que não é preciso estar nos últimos dois semestres da faculdade para realizar a prova como treineiro, já que a nota não é considerada para a aprovação na OAB.

Estudar por conta própria ou contar com um cursinho preparatório?

Baseado em tudo o que foi dito até aqui, é evidente que o estudante de Direito muitas vezes se sente inseguro e despreparado para realizar o Exame da Ordem. E não há vergonha nenhuma nisso! Afinal, vamos ser sinceros: é uma responsabilidade muito grande e que, muitas vezes, é vista como uma obrigação, o que apenas piora a ansiedade.

Essa insegurança, porém, é um obstáculo que se coloca entre você e a aprovação. Por isso, cogitar a ajuda de um cursinho preparatório pode ser uma boa ideia.

Cabe reiterar aqui que as faculdades, por si só, não são capazes de preparar o candidato para essa prova. Seus métodos de ensino poucas vezes são focados no preparo para a OAB, sem contar que raramente levam em consideração as peculiaridades de cada aluno.

Dessa forma, fica muito difícil para o estudante descobrir o que é preciso aprimorar em seus estudos por conta própria. Sem a ajuda de um suporte especializado, você talvez nunca saberá quais são suas fraquezas e em que parte o seu aprendizado deverá ser melhorado.

Cursinhos preparatórios, como o Saraiva Aprova, são especializados em dar total apoio ao candidato, com métodos que identificam suas dificuldades e traçam o melhor caminho de estudos para cada um.

Além disso, a preferência por plataformas online garante uma flexibilidade maior e ajuda a poupar um tempo precioso ao estudante. Afinal, as aulas podem ser assistidas no conforto de seu próprio lar, sem que você precise se preocupar com trânsito e deslocamentos.

Os cursinhos na modalidade de educação a distância (EAD) permitem que o aluno planeje seus próprios horários, o que também ajudará na hora de conciliar os estudos para a OAB com a própria faculdade.

Optar por um cursinho, portanto, garante mais segurança e também maiores chances de ser aprovado.

Como montar um cronograma de estudos para a faculdade e para o Exame da OAB?

Esclarecidas as maiores dúvidas, agora é o momento de criar um método de estudo que permita conseguir a aprovação na OAB e também o diploma na faculdade.

Como já foi dito, nada é alcançado sem dedicação e estudo. É claro que essa não é a tarefa mais fácil do mundo, mas isso também não quer dizer que seja a mais difícil. Com força de vontade, tudo é possível!

Lembre-se de que cada estudante possui suas peculiaridades, portanto, não existe uma fórmula 100% certa de estudos. É preciso que você descubra o que mais se adapta ao seu perfil e, mais uma vez, um cursinho preparatório pode ser essencial nessa tarefa.

Vamos listar aqui alguns passos que podem te ajudar a se organizar nos estudos. Confira!

1. Conheça seus pontos fortes e fracos

O primeiro passo na hora de montar seu cronograma é conhecer a si mesmo. Todo estudante de Direito tem suas matérias favoritas e também as mais odiadas.

É evidente que você terá muito mais facilidade em estudar aquilo de que gosta. Sempre que fazemos algo com prazer, essa atividade se torna muito mais produtiva. Portanto, foque nas suas matérias favoritas!

Por exemplo, se você gosta e tem facilidade em aprender Direito Penal, aproveite e se dedique bastante a isso. Talvez esse seja o diferencial na sua aprovação!

Por outro lado, você também não pode se esquecer daquelas matérias odiadas, principalmente se elas fizerem parte da sua grade curricular atual. Esses são os seus pontos fracos, e a melhor forma de combatê-los é saber reconhecê-los.

A partir do momento em que você já tem consciência das matérias que são mais difíceis, fica muito mais fácil contorná-las. Com a ajuda de um plano diversificado de estudos, você vai conseguir se dedicar a essas matérias sem muito sacrifício.

2. Organize-se por prioridades

Depois de reconhecer suas forças e fraquezas, é hora de se adaptar à faculdade e ao Exame da Ordem.

Primeiramente, observe o edital da OAB e, entre as matérias cobradas ali, destaque aquelas que são suas favoritas. Por fazerem parte do seu ponto forte, são elas que devem receber mais atenção, pois serão essenciais na sua aprovação.

Em segundo lugar, é hora de destacar as matérias em comum com sua grade curricular atual. Como já estão sendo estudadas no semestre, fica muito mais fácil acompanhá-las em tempo real pela faculdade, e você pode, inclusive, tirar dúvidas com seu professor.

Por fim, é hora de dar atenção àquelas disciplinas que lhe causam um certo desgosto. É muito provável que aqui se concentre a maior parte das matérias. Não se assuste, pois isso é normal. Afinal, é de se esperar que você tenha mais matérias odiadas do que adoradas.

A melhor forma de lidar com essas matérias é saber como estudá-las — e isso nos leva ao próximo ponto.

3. Diversifique seus estudos

Ler doutrinas, resumos e leis sobre aquilo que você gosta é muito fácil. Mas tentar fazer isso com matérias que você odeia e tem dificuldade em aprender é outra história. Por isso, é preciso encontrar um meio termo nesse estudo, para que isso não se torne um suplício desnecessário — e a melhor maneira de fazer isso é saber diversificar seus estudos.

E como fazer isso? Bem, é muito simples: varie suas matérias e a forma de estudá-las!

Alterne entre aquilo que você gosta e aquilo que você odeia. Não leia apenas doutrinas, mas faça também exercícios, veja aulas online e leia resumos. Também é muito importante não se esquecer de fazer algumas pausas, afinal, uma mente cansada absorve bem menos conhecimento!

4. Faça esquemas e resumos

Ao longo da sua rotina de estudos, é importante sempre fazer pequenas anotações e resumos. Além de serem táticas que ajudam a fixar a matéria, eles também vão ser muito úteis na hora da revisão.

Não há nada melhor do que não ter que se preocupar em sair procurando por uma parte específica da matéria em doutrinas e leis, pois ela já está resumida e esquematizada em seus cadernos.

5. Resolva exercícios e simulados

Uma das melhores formas de estudar, seja para a OAB, para concursos, ou para a própria faculdade, é por meio de exercícios e simulados! Por isso, de todos os pontos mencionados até aqui, esse talvez seja o mais importante!

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) — responsável pela aplicação do exame — possui uma maneira peculiar de montar suas questões. Ao resolver provas antigas da OAB, você se acostumará com o estilo dessas questões e também fixará conteúdos já estudados.

Não se esqueça, obviamente, de verificar se as questões estão atualizadas e de acordo com a lei vigente. Esse método é muito útil, pois consegue prender a atenção do estudante e exige menos tempo do que a leitura incessante de doutrinas e leis. Dessa forma, o candidato terá tempo para também se dedicar às matérias finais da faculdade.

Mas atenção: não basta apenas pegar as questões e resolvê-las. É preciso também procurar compreender cada uma de suas alternativas, estudando o porquê de elas estarem certas ou erradas. A resolução de exercícios serve como um estudo complementar.

6. Crie mapas mentais

Mapas mentais são formas esquematizadas de memorização por meio da lógica e, como o Direito é um curso em que as matérias costumam ser bem interligadas, a criação de mapas mentais é uma dica perfeita para trabalhar sua memorização.

É possível criar um mapa mental ao dividir uma matéria em tópicos. Por exemplo, no caso do Exame da OAB, você pode usar a lista de matérias que serão cobradas (disposta no próprio edital da prova) para dividir seu mapa em categorias e subcategorias. Isso ajuda na memorização da matéria e também servirá como um guia para os seus estudos.

A criação de mapas mentais muitas vezes é mais eficaz do que outros métodos de memorização que existem por aí!

7. Revise o que já foi estudado

Quando a data da prova se aproxima, é normal ficar um pouco desesperado. Mas não se preocupe! Se você estiver com os estudos em dia e bem-organizados, essa é a hora de apenas revisar tudo o que já foi aprendido.

Não adianta querer ler doutrinas ou estudar a lei na véspera da prova. A ansiedade vai acabar atrapalhando sua concentração, fazendo com que você se confunda. Por isso, foque apenas em revisar a matéria por meio dos seus esquemas e resumos.

8. Mantenha a calma e a concentração

Por fim, e não menos importante, é preciso saber manter a calma. Sim, sabemos que é difícil, mas pense bem: a ansiedade não agrega nada. Muito pelo contrário, ela só atrapalha!

Um pouco de descanso é vantajoso para ajudar a manter a calma e, consequentemente, a concentração durante os estudos. Estressar a mente com muitas informações e pouco descanso acaba sendo prejudicial. Afinal, ninguém é de ferro!

Seguindo essas dicas, ficará bem mais fácil montar seu cronograma de estudos e conseguir conciliar o Exame da OAB com a faculdade.

Há alguma dica para combater o nervosismo?

Eis que surge a pergunta de um milhão de dólares: como combater a ansiedade e o nervosismo? Obviamente, não existe uma resposta certa para essa pergunta. Mas separamos aqui algumas dicas que podem te ajudar.

Antes de mais nada, saiba dosar os estudos com intervalos de descanso. Uma mente cansada não consegue absorver tantas informações, e isso pode acabar sendo um empecilho.

Durante seus intervalos de descanso, aproveite para fazer algo que te agrade: veja um filme, jogue videogame, saia com os amigos, entre outras coisas. O importante é permitir que sua mente se desligue por algum tempo.

Evite estimulantes ao longo da sua jornada rumo à aprovação na OAB. Por mais que você esteja ansioso, não abuse do café ou energéticos, pois eles podem acabar piorando a situação. O ideal é que você descanse caso sinta sono ou cansaço.

As noites devem ser reservadas para dormir! Evitar o sono é prejudicial à saúde e também aos estudos. É durante esse descanso que nossa mente consegue assimilar as informações obtidas e memorizá-las.

Outra dica que também ajuda a combater o nervosismo é a prática de esportes. Sair para uma caminhada, uma pelada com os amigos ou ir para a academia podem ser uma boa ideia. Os exercícios físicos liberam uma descarga de energia que nos causa a sensação de bem-estar, são excelentes para aliviar a mente e também ajudam a ter uma boa noite de sono.

Caso você não seja adepto dos exercícios físicos, a meditação e outros exercícios de relaxamento também podem ser uma boa ideia.

E não se esqueça: não deixe que a insegurança seja um obstáculo para o seu sucesso!

Com todas as dicas mencionadas aqui, você tem tudo para arrasar no Exame da Ordem e ainda conseguir seu diploma na faculdade.

Se você gostou deste post, temos muito mais para você, semanalmente!


Eduardo Gomes

Autor: Eduardo Gomes

1 comentário em “Por que a faculdade de Direito não garante a aprovação na OAB?”

  1. Sabe porque ninguém passa? Enchem a cabeça do estudante com matérias que não reprovam é nota dez em todas, façam como na USP- este é o segredo, são cinco anos de Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional e Tributário, dois anos de Prática Jurídica 4 e 5 ano. Direito Civil, Processo Civil, Direito Penal e Processo Penal, Constitucional e tributário e só. O restante: Direito do trabalho Direito Empresarial, Direito Internacional, Direito do Consumidor, Ciência Política, Direito Administrativo, e outras são dadas duas ou três aulas, uma bela palestra, faz um trabalho entrega e Acabou. Depois eles dão as Legislações complementares e extravagantes, por exemplo Lei de drogas, Lei crimes hediondos, Lei do Inquilinato entre outras, faz um trabalho entrega e pronto. Saindo de lá com cinco anos massante de direito civil, direito penal, processo penal, processo civil, direito constitucional e tributário, dois de prática jurídica exegese, hermenêutica. Está pronto para passar em qualquer concurso e na PRIMEIRA E SEGUNDA FASE DA OAB, e com certeza um grande Advogado, Juiz ou Promotor.. PS – A PUC também é assim. Eu convivi na UNIP colegas que tinham conhecidos ou parentes que estudavam na USP- na PUC e eram nota milhão em tudo, com o tempo eu comecei a relembrar as expressões faciais dos professores com eles e vi que sabiam muito e incomodavam, um dia me contaram o segredo, um professor destes cursinhos marca barbante e me ensinou em particular, e pediu boca calada, mais o truque de informática da primeira fase. Mas eu já desanimado deixei de lado, fui vencido pela lógica deste ensino e nunca mais, estudo até hoje e muito sou apaixonado pelo Direito, tenho uma biblioteca que a preço de custo vale uns 100.000 reais todos lidos em 10 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *