Como saber se estou preparado para a OAB?

Uma dúvida que assola os estudantes que cursam os últimos períodos de Direito é se eles estão realmente prontos para fazer o Exame da Ordem. A pressão dos amigos e familiares, cobranças da faculdade, TCC e falta de tempo para estudar são alguns dos fatores que influenciam a preparação para a OAB.

Como o exame pode ser prestado a partir do 9º período da faculdade, muitos se sentem na obrigação de serem aprovados logo na primeira tentativa, mesmo não estando completamente preparados. Consequentemente, acabam fracassando e isso é refletido na baixa taxa de aprovação na OAB.

Não estamos dizendo que fazer a prova o quanto antes não seja uma boa ideia. Pelo contrário, se você estiver com uma boa base de estudos, tempo para fazer exercícios e contar com a ajuda de um curso preparatório, então vá em frente!e.

Para saber se você está preparado para a OAB, responda aos principais questionamentos listados abaixo! Pronto para começar? Vamos lá!

Você realmente conhece a prova da OAB?

Pode parecer uma pergunta boba, mas, por incrível que pareça, muitos candidatos fazem a prova sem sequer saber quais são as disciplinas cobradas.

Ao se preparar para a OAB, a primeira coisa que deve ser feita é uma análise da estrutura e do funcionamento do exame. Isso inclui: matérias que devem ser priorizadas, duração da prova, número de questões, quantidade mínima de acertos, entre outros.

A maioria dessas informações podem ser obtidas pela leitura do próprio edital. Aqui também temos outro ponto importante, que é saber fazer a análise desse documento. O edital é a peça-chave para compreender a prova da OAB, saber quais são as disciplinas cobradas e as regras para inscrição e realização do exame.

Como você já deve saber, a prova é dividida em duas etapas. Na primeira, é aplicada uma prova objetiva de conhecimentos gerais do Direito e, na segunda, as questões são dissertativas, medindo o conhecimento em uma área específica, escolhida pelo candidato.

Como funciona a 1ª fase?

Considerada por muitos como um teste de resistência, a 1ª fase da OAB consiste em uma prova objetiva com 80 questões de múltipla escolha — cada uma com quatro alternativas —, abrangendo diversas áreas jurídicas.

As questões são formuladas com longos enunciados, o que acaba deixando os candidatos exaustos. Por isso, é importante estar bem descansado e alimentado. São 5 horas de prova e é preciso acertar, pelo menos, 50% — ou seja, 40 questões — para ser aprovado.

As disciplinas cobradas nessa fase são:

  • Ética
  • Filosofia do Direito
  • Direitos Humanos
  • Estatuto da Criança e do Adolescente
  • Direito Constitucional
  • Direito Administrativo
  • Direito Tributário
  • Direito Civil
  • Direito do Trabalho
  • Direito Penal
  • Direito Empresarial
  • Direito Ambiental
  • Direito Internacional
  • Direito do Consumidor
  • Processo Civil
  • Processo do Trabalho
  • Processo Penal

Não existe um padrão que defina exatamente o número de questões em cada uma das disciplinas.

Estatisticamente falando, ética é a disciplina geralmente mais cobrada. O candidato deve dar bastante atenção ao Código de Ética, pois é possível garantir uma boa parte da prova apenas com essa disciplina.

Apesar de o restante das matérias terem um número variado de questões, vale dizer que as que merecem mais atenção são: Direito constitucional, administrativo, civil, penal e direito do trabalho, incluindo, obviamente, as respectivas matérias processuais de cada uma.

A preparação para a OAB deve levar em conta as dificuldades do estudante. Portanto, por mais que seja necessário estudar todas as disciplinas mencionadas, é preciso que você dê atenção especial aos seus pontos fracos, reforçando aquilo que tem mais dificuldade em aprender e revisando o que for mais fácil.

Como funciona a 2ª fase?

Os candidatos aprovados na etapa anterior deverão se preparar para a 2ª fase, que consiste em uma prova discursiva com quatro perguntas e uma peça prática.

Ao contrário da 1ª fase, aqui, o candidato pode escolher uma das seguintes disciplinas:

  • Direito Administrativo
  • Direito Civil
  • Direito Constitucional
  • Direito Empresarial
  • Direito Penal
  • Direito do Trabalho
  • Direito Tributário

Tanto as questões quanto a peça prática serão corrigidas de acordo com um espelho de resposta que, posteriormente, será disponibilizado ao candidato.

Cada uma das quatro perguntas tem o valor de 1,25 ponto, e a peça prática vale 5, totalizando 10 pontos. Para conseguir a aprovação, é necessário fazer, no mínimo, 6 pontos.

Como o foco nessa etapa é bem específico, escolha a matéria com a qual você tem mais facilidade. Não caia no erro de escolher aquela que “dizem” ser normalmente mais fácil.

Um fator que atrapalha muito a preparação para a OAB é justamente a indecisão ou a troca constante da área escolhida para a 2ª fase. Se você já prestou o exame antes, não fique se arriscando em disciplinas diferentes. Atenha-se aos seus pontos fortes e estude com afinco para alcançar o sucesso.

Vale lembrar que é permitida a consulta à legislação nessa etapa. Mais um motivo para o candidato estar bem-preparado, com seu Vade Mecum organizado e os tópicos mais importantes na ponta da língua.

Seu cronograma de estudos está em dia?

A maior dificuldade de quem está se preparando para o Exame da Ordem é a organização do tempo. Como grande parte dos candidatos está nos últimos períodos do curso de Direito, é preciso conciliar o estudo das matérias cobradas pela faculdade com o TCC, sem deixar de lado o estágio ou trabalho, não sobrando muito tempo para a OAB.

Diante dessa dificuldade em se organizar, é essencial a criação de um cronograma eficiente que contemple todos os seus afazeres e ainda consiga definir quantas horas estudar por dia e as metas a serem alcançadas.

Tenha em mente que o cronograma não serve apenas como um “roteiro”. De nada adianta organizar os estudos se não houver uma análise da sua curva de aprendizado. É preciso utilizar métodos alternativos que meçam seu desempenho, abrangendo todas as matérias e temas cobrados na OAB, além de definir momentos de descanso e revisão.

Sem esse planejamento, é difícil saber se seus esforços estão tendo resultados. Muitas vezes, os candidatos ficam exaustos de tanto estudar, porém, acabam reprovados, pois não seguiram um bom cronograma e não souberam se preparar da melhor forma.

Entenda que, por “melhor forma”, não estamos querendo dizer que existe uma fórmula mágica de preparação que garanta sua aprovação. Os métodos de estudos são muito pessoais, devendo considerar as dificuldades e facilidades de cada aluno. Daí vem a importância de se compreender o que é o sistema de aprendizagem personalizado e como ele funciona.

Com um bom cronograma em mãos, preparado especialmente para você, é muito mais fácil verificar se você está preparado para a OAB.

Qual é o tempo ideal de estudos?

A quantidade exata de estudo por dia varia de acordo com cada pessoa. Não se trata de uma fórmula exata que deve ser seguida cegamente.

Antes de mais nada, é preciso analisar a quantidade de tempo livre que você tem na semana. Afinal, de nada adianta querer dedicar 5 horas de estudo por dia se não sobram mais que 3 horas depois da faculdade, estágio e outras obrigações.

Seu tempo de estudo deve se adaptar à sua rotina. Por mais que seja necessário se dedicar bastante, não cometa o erro de estabelecer metas impossíveis de serem cumpridas. Caso contrário, você obviamente não conseguirá ficar em dia com seu cronograma.

Importante ressaltar que, diante da enorme quantidade de disciplinas cobradas na OAB, é preciso estudar ao menos duas matérias por dia, conciliando também um momento para revisar e resolver exercícios.

Quem está se preparando para a OAB não pode ter o luxo de tirar os finais de semana para descansar. Você deve aproveitar o tempo livre do sábado e domingo para se dedicar ainda mais. É claro que o descanso também é merecido, mas desde que as metas tenham sido cumpridas.

Por fim, lembre-se de aproveitar os dias com mais tempo livre para estudar as matérias nas quais você tem mais dificuldade e, nos dias mais ocupados, dedique-se àquelas que são mais fáceis e menos prováveis de serem cobradas.

Como medir meu desempenho?

O preparo para a OAB está diretamente relacionado ao seu desempenho nos estudos. Se você não conseguir acompanhar seu cronograma, seja por estar ocupado demais com a faculdade ou por simplesmente não saber qual é a melhor forma de se organizar, são grandes as chances de não ser aprovado.

A melhor maneira de medir seu desempenho e descobrir se você está preparado para a OAB é por meio de exercícios e simulados. Use-os para revisar e treinar as disciplinas ao final de cada dia de estudo. Talvez valha a pena investir em um livro de questões comentadas ou em um curso que ofereça simulados corrigidos por professores.

Se o seu cronograma for eficiente, você vai notar uma melhora constante a cada novo simulado. Essa é justamente a curva de aprendizado mencionada anteriormente. Caso perceba que seu desempenho não está melhorando, então talvez seja hora de modificar seu cronograma e suas estratégias de estudo.

Resolver questões da OAB é uma prática essencial não apenas para medir seu desempenho, mas também para fixar tudo que foi estudado.

Qual é a qualidade do material com o qual você estuda?

Até este ponto, falamos sobre o conhecimento da estrutura da prova e os métodos de organização do estudo, pontos importantíssimos para saber se você está preparado para a OAB. Mas apenas isso não é o suficiente.

Outra questão que deve ser analisada é a qualidade dos materiais usados por você. Muitas vezes, por mais que o candidato tenha disciplina e bons métodos de estudo, esses materiais acabam sendo a causa da reprovação.

Diante de tantos cursos, apostilas e livros para estudar para a OAB que existem no mercado, é evidente que muitos deles não são de confiança. Estudar por meio de um Vade Mecum desatualizado, por exemplo, é perigoso e pode acabar resultando na sua reprovação.

Ao se preparar para a OAB, é preciso escolher os melhores materiais, de preferência aqueles que são referência no mercado. Nada de estudar por resumos encontrados na internet, pois, em muitos casos, eles não estão apenas desatualizados como também possuem informações erradas.

Em relação aos livros de exercícios, verifique se as questões não estão ultrapassadas, se nenhuma delas foi anulada e se o gabarito está correto. Como esses livros contam com uma quantidade enorme de exercícios, é comum que alguns erros passem despercebidos. Por isso, é interessante fazer simulados online em que os professores fazem a correção individual de cada questão, garantindo que não haja erros.

Outro ponto importante a ser tratado aqui é a objetividade dos estudos para a OAB. Não adianta ficar querendo ler doutrinas inteiras se o seu tempo é corrido. Além de não ser necessário, a OAB tem um conteúdo muito bem-delimitado, que pode ser estudado de forma bastante objetiva e centrada.

É preferível contar com resumos bem-preparados e estudar pela própria lei em vez de ficar lendo teorias e mais teorias que dificilmente serão cobradas e servirão apenas para roubar o seu precioso tempo de estudo. Por isso, conte com um bom curso preparatório que poderá guiá-lo da melhor maneira.

Como foi o seu progresso nos simulados da OAB?

A FGV, como qualquer outra banca, tem certos padrões que se repetem constantemente. Dessa forma, todas as provas elaboradas por ela têm certas semelhanças. Ao resolver um simulado da OAB, você estará se acostumando com esses padrões e ainda poderá verificar se seus estudos estão rendendo bons resultados.

A curva de aprendizado, como já mencionamos, é definida por uma melhoria constante nos resultados dos simulados feitos por você. É uma questão lógica: quanto mais você aprende, mais questões conseguirá resolver e, consequentemente, vai obter melhores notas.

Os acertos nas questões refletem uma estatística. Por isso, eles devem estar aumentando progressivamente, enquanto os erros diminuem. Isso significa que você está realmente absorvendo o conteúdo estudado e se acostumando com o estilo das provas.

Se o seu desempenho não está seguindo essa lógica, significa que seus estudos não estão suficientemente fortes, ou seja, você não está bem-preparado para a OAB. Mas não se desespere! Basta investigar quais são os fatores que estão causando esse baixo desempenho e superá-los.

Talvez seja uma questão de adaptar seu cronograma de estudos, mudar suas estratégias e, talvez, procurar por ajuda externa, como um curso preparatório que leva em consideração as dificuldades de cada aluno.

Ao terminar um simulado, é preciso revisar cada uma das questões individualmente. Dessa forma, será possível fixar o conteúdo e ainda compreender quais são seus pontos fracos e fortes.

A partir do momento em que sua média de acertos estiver sempre acima de 50%, você provavelmente já estará preparado para a OAB. É importante, porém, continuar estudando para que essa média aumente ainda mais, garantindo, assim, o sucesso.

Simulados e questões comentadas são a melhor forma de se preparar, pois ajudam na memorização do conteúdo e acostumam o candidato com a estrutura da prova. É um método que abrange praticamente tudo que é necessário para alcançar bons resultados: leitura, prática e revisão.

Existe algum tipo de apoio de um curso preparatório?

Estudar por conta própria é importante, com certeza. Porém, muitas vezes o candidato não conhece as “maldades” do exame e não sabe como se organizar. Para assegurar o melhor rendimento possível nos estudos, é essencial fazer um curso preparatório, de preferência um que leve em consideração as particularidades de cada aluno, reforçando seus pontos fracos e aproveitando os fortes.

Com a ajuda de professores especializados no Exame da Ordem, os candidatos poderão contar com um suporte de qualidade para tirar suas dúvidas e indicar quais são os melhores métodos de estudo. O curso preparatório também aprofunda as matérias mais importantes para a prova e possui resumos e apostilas com as informações mais relevantes.

Hoje em dia, cursos online são a melhor opção para estudantes que não têm tempo para sair de casa e enfrentar o trânsito caótico das cidades. Poder assistir às aulas no seu próprio ritmo, quando e onde quiser, pode ser exatamente o que você precisa para se organizar e estar preparado para o exame.

Além de oferecer uma infinidade de conteúdo, desde aulas até exercícios e resumos, os cursos online também permitem que o aluno entre em contato diretamente com os professores para tirar dúvidas. Bons cursos preparatórios acompanham o progresso dos candidatos e levam em consideração suas deficiências, fazendo o possível para supri-las.

Se você sente que não está preparado o suficiente para a prova da OAB, não hesite em procurar ajuda externa. Um curso preparatório pode ser exatamente o impulso que você precisa para conseguir a tão sonhada aprovação.

Como está o lado emocional?

A preparação para a OAB não depende apenas de estudo, materiais e cursos preparatórios. É preciso, também, trabalhar o lado emocional.

Muitos candidatos são reprovados por conta da ansiedade excessiva, que acaba fazendo com que erros bobos — como passar o gabarito errado para a folha de respostas — sejam cometidos.

É preciso esquecer a cobrança dos familiares, amigos e faculdade por um momento. O estresse e a ansiedade afetam a nossa atenção e, por mais que você tenha estudado e esteja com bons resultados nos simulados, pode acabar não indo bem na prova simplesmente porque não trabalhou seu lado emocional.

Nesse ponto, está a importância de ter bons momentos de descanso, principalmente à noite, na hora de dormir. O cansaço é um dos fatores que mais afeta negativamente o aprendizado e a concentração.

Fazer exercícios físicos é uma ótima forma de manter a mente e o corpo saudáveis, além de diminuir o estresse e permitir boas noites de sono. Portanto, não se esqueça de dedicar uma parte do seu cronograma de estudos para a OAB a esses momentos de relaxamento.

Trabalhar o lado emocional pode exigir tanto esforço quanto os estudos, principalmente nas vésperas da prova. Esses momentos finais não devem ser sobrecarregados com leituras e exigências. Apenas faça a revisão dos pontos mais importantes das matérias — aproveitando as maratonas online — e preocupe-se mais com o descanso.

No dia da prova, tente ficar em paz consigo mesmo. Se você fez tudo que estava ao seu alcance, não há com o que se preocupar. Faça a prova com calma e concentração e não se esqueça de levar algum alimento, pois o estômago vazio também atrapalha seu desempenho.

Afinal, como saber se estou realmente preparado?

A resposta para essa pergunta é muito subjetiva. A única pessoa que pode respondê-la é você.

Com base em tudo que foi mencionado neste post, analise seu desempenho e seu lado emocional para decidir se esse é o momento certo para prestar o exame. Caso chegue à conclusão de que não há tempo para estudar, que a faculdade está muito pesada ou que está preocupado demais com o TCC, então deixe para fazer a OAB mais tarde. O exame se repete três vezes ao ano, portanto, não há pressa.

Fazer a prova sem o preparo necessário é uma perda de tempo e dinheiro. Lembre-se de que a inscrição não é muito barata, o que também é uma questão a ser levada em consideração, afinal, a reprovação na prova da Ordem pode pesar no seu bolso.

Se o dinheiro não for problema, é claro que você pode fazer a prova apenas para se acostumar, ainda que os estudos não estejam em dia. É possível, também, participar do exame como treineiro antes do 9º período da faculdade. Essas são práticas que vão ajudar a acostumá-lo com o estilo da prova.

Não se esqueça de que o preparo não deve se limitar à 1ª fase da OAB — e tudo que foi mencionado aqui também se aplica à 2ª fase. Um erro comum entre os candidatos aprovados na prova objetiva é deixar de estudar para a discursiva. Por conta disso, acabam sendo reprovados.

Para finalizar, não se desespere caso não consiga a aprovação na primeira tentativa. A OAB nada mais é do que um desafio a ser vencido. Se você for reprovado uma, duas ou quantas vezes for, continue tentando. Em algum momento, o sucesso virá. O importante é não desistir!

A preparação para a OAB envolve um conjunto de fatores que devem ser trabalhados concomitantemente. Buscar a ajuda de um curso preparatório é uma das formas de reunir e potencializar todos esses fatores de uma só vez. Acima de tudo, o maior responsável pelo sucesso é você mesmo. Basta ter disciplina e disposição para estudar e continuar tentando!

Agora que você conhece essas dicas, compartilhe este post nas suas redes sociais e ajude seus amigos a descobrirem se estão preparados para a OAB!

1 comentário em “Como saber se estou preparado para a OAB?”

  1. Bom dia, Dani! Esse e-mail foi um bate papo daqueles: Muito bom e reflexivo. Atualmente, tem sido um desafio organizar meu tempo para estudar. Mas não desisto! Escolhi a advocacia como profissão e não abro mão desse sonho, mesmo passando pelas dificuldades. Valeu pelo e-mail!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *