Como foi a prova da 1ª fase do XXIIIº Exame da OAB

Como foi a prova da 1ª fase do XXIIIº Exame da OAB

As expectativas se confirmaram: o exame foi muito difícil. Claro, porque toda prova da 1ª fase da OAB é muito difícil. Não seria diferente, portanto. Geralmente, são dados históricos, a média de aprovação é extremamente baixa. Se cerca de 120 mil inscritos fizeram a prova, o corte de aprovados não chega nem perto da metade. Tem sido assim desde os primórdios do Exame de Ordem Unificado, mesmo quando o CESPE (hoje CEBRASPE) foi a banca.

Claro, há exceções, tanto para pior como para melhor. Recentemente, o XXIº Exame da OAB foi o “exame do capeta”, apelido que repercutiu muito (saiba mais, clique aqui). Antes das duas questões anuladas, falava-se em menos de 5% de aprovados logo na 1ª fase. Depois veio o XXIIº Exame e toda a apreensão de que se poderia repetir o desastre, mas conforme previmos, foi mais uma prova muito difícil, mas não “do capeta”. A tendência é essa: nunca tivemos duas provas “quase” impossíveis sucessivas.

Professor Marcelo Hugo

Mestre e Especialista em Direito pela PUCRS.
Coach pelo IBC  – Instituto Brasileiro de Coaching.
Mentor pela FGV – Fundação Getúlio Vargas.
Coordenador das coleções Passe na OAB e Passe em Concursos pela Editora Saraiva.

Mas professor e a prova do XXIIIº? Por hora, escrevendo no calor dos depoimentos de quem saiu do exame, já com as provas na mão (sem o gabarito oficial ainda) e com os comentários dos professores da Saraiva Aprova, será que teremos o “exame do capeta 2: a volta dos que não foram”? O conteúdo estava bastante interdisciplinar, parecia que não havia divisão entre disciplinas. Uma disciplina se comunicando com outra. Até o momento, não era tão gritante esta mudança, será que ficará? Destaco duas questões: uma de constitucional que tratou direito eleitoral e outra de trabalho que falou de previdenciário. Será que é um recado da OAB para as duas próximas novas disciplinas a integrar a prova?

Além disso, as matérias foram bem específicas, não sendo aquela prova generalista que se deseja. Vejam bem, são 17 disciplinas, não existe especialista de cada uma delas. Realmente, lamentável. Ademais, temos mudanças importantes: alteraram o número de questões das disciplinas a começar por Ética. Passou de 10 questões para 8. Direitos Humanos perdeu 1 questão (ficou em duas). E Processo do Trabalho também perdeu 1 questão (ficou com quatro). Mas se estas perderam, outras ganharam, não? Sim! Tributário, Processo Civil, Direito do Trabalho e Processo Penal ganharam uma questão cada.

Há muito tempo defendo que o Exame da OAB não pode ser impossível, como também injusto. Será que os exames com números ímpares serão, a partir do XXIº Exame, todos horríveis em todos os sentidos que esta palavra possa descrever? Sinceramente, eu não seria aprovado. Veja bem, já tive livro que comentava todas as disciplinas e hoje coordeno a maior coleção editorial de Exame de Ordem no país. Realmente, não é isso que desejo para os nossos acadêmicos e futuros colegas de OAB. Ninguém merece fazer esta prova.

Sabemos que Exame da OAB é estratégia e compartilho com os meus alunos e leitores o modo da preparação adequada. Exploramos bastante em nosso módulo de coaching e mentoring na plataforma Saraiva Aprova e nos nossos vídeos no canal do Youtube e palestras pelo país. No entanto, estas provas não deveriam existir no calendário, porque pecam pelo excesso. É uma prova de proficiência e não de especialidades. Tentamos precaver nossos alunos para estas provas, investindo não só na preparação pedagógica como na psicológica e os resultados acontecem definitivamente. Porém, não posso me omitir de criticar severamente esta prova do XXIII Exame da OAB.

Caso não tenha sido a sua vez, avalie em investir no que se tem de melhor em preparação para OAB no país e com a qualidade e tradição da Editora Saraiva. A plataforma adota este conceito de ajustar a preparação de forma personalíssima a cada um dos seus alunos, além de se preocupar com a parte emocional e psicológica dos mesmos. Como falei, a prova é estratégia e ela está decifrada em nosso trabalho junto com a melhor seleção de professores do país encabeçada pelo professor Pedro Lenza.

Caso você tenha ficado por uma ou duas questões, importa neste momento é observar a movimentação dos professores para ter uma breve ideia se há questões anuláveis. Lembro que a FGV, como qualquer outra banca, detesta anular. A justificativa é simples: ninguém gosta de errar, não é? Mas não há prova perfeita e esta, como todas as outras, também não foi. O problema é esperar até sair o resultado definitivo (dia 22 de agosto), há menos de um mês da prova da 2ª fase. Lembrando que a última anulação foi justamente no “exame do capeta” e tem sido assim: zero de anulações. Então não se impressione quando todo mundo começar a espalhar que há 5 a 10 questões anuláveis, porque no XXIIº Exame reunimos 7 questões e NENHUMA foi efetivamente anulada.

Mas vamos tratar especificamente deste ponto das anuláveis numa próxima oportunidade, até porque o prazo recursal é do dia 8 ao 11 de agosto. Ainda sobre a prova, não podemos deixar de destacar como ela é cansativa. Os enunciados são redacionais, exigindo muita atenção (e paciência), ao contrário dos primórdios, onde a pergunta era objetiva e direta, sem maiores interpretações. As situações hipotéticas (casos) dominam praticamente 95% da prova, algo que não se enxerga nem nos concursos para magistratura ou Ministério Público.

Se você foi aprovado, meus parabéns! Uma prova tão difícil assim demonstra que você estava bem preparado para ela. Não caiu, justamente, o que você estudou? Este “detalhe” a gente ensina em nosso módulo de coaching e mentoring, porque muita gente ainda não sabe escolher o que estudar, nem mesmo quando e por onde começar. Se a sua aprovação foi a sorte, meus parabéns também, quem disse que beber chá de trevo de cinco folhas não ajuda, mesmo que você tenha se preparado adequadamente? Minha dica para 2ª fase é: comece a estudar com os livros certos!  E quais são eles? Sugiro a coleção Passe na OAB 2ª Fase Completaço publicada pela Editora Saraiva recentemente em 2017. Cada volume é uma disciplina, mas todos eles trazem roteiros passo a passo das peças, modelos de peças, súmulas selecionadas, questões discursivas comentadas e peças profissionais comentadas. Saiba mais, clicando aqui.

Ao final, tenho para lhe dizer, seja aprovado ou não: quando vocês olharem para trás, o Exame da OAB parecerá tão pequeno perto dos desafios e conquistas profissionais que lhes reservam.

Avatar

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *