Como conciliar trabalho e estudos para a OAB?

trabalho-e-estudos-oab

O tempo é um artigo de luxo, porque é cada dia um artigo mais raro de se encontrar. É possível você já ter ouvido: “Puxa, como gostaria que o dia tivesse 48 horas”. Certamente, 24 horas não dão mais conta para tantas atividades. Não vou listá-las, porque basta indicar que metade do dia você “perderá” entre dormir, alimentar-se, vestir-se, higiene pessoal, deslocamentos, enfim, organizar-se para as outras doze horas.

Será nesta outra parte do dia que os estudos e o trabalho deverão ser conciliados. Este texto é para você que já tem uma jornada de trabalho (ou precisa dela para manter uma preparação) e necessita encaixar os estudos para a OAB nela ou além dela.

É uma dúvida bastante comum, porque, aparentemente, seria impossível. No entanto, “impossível” não pode ser, porque muitos brasileiros conquistaram a vaga no serviço público conciliando o trabalho e os estudos. Meus pais, por exemplo. Atualmente, aposentados, servidores do Tribunal de Contas da União e da Receita Federal, tiveram que ajustar entre os dois: tempo para estudar, trabalhar e cuidar dos filhos. E por muitas noites o meu “conto” de dormir foi como conseguiram conciliar tudo.

Primeira regra: identificar todos os seus horários através das atividades mais triviais, desde quando acorda até o horário de dormir. Nesta lista, certamente, aparecerão “bugs”. Ou seja, pontos de desperdício de tempo, sejam distrações, sejam oportunidades ignoradas. Para ilustrar: antes de sair para o trabalho ou estágio, preciso saber o que está na acontecendo no mundo, mesmo que seja pelas redes sociais ou perco muito tempo escolhendo o “look do dia”. No metrô ou coletivo, apenas ouço música para distração. Quando chego ao local do trabalho, passo na máquina do café e bato um papo com os colegas. Ao abrir o computador, leio todos os e-mails, profissionais ou não, (re)confiro a vida nas redes sociais e depois inicio a atividade em si. Fim do expediente, mais um papo amigável e me dirijo para faculdade ou para casa com aquelas canções do início do dia.

Em casa, já procuro imaginar o que será o jantar, porque a fome é a companheira inseparável da distração. Até comer “algo” gera uma expectativa que pode amortecer qualquer comprometimento todo o período que antecede este momento. E depois de jantar ou um lanche, quem bate na porta? O sono! Trabalhei muito durante dia e, reza a lenda, preciso dormir pelo menos 8 hora para ser saudável. Mesmo assim, porque não um episódio novo da sua série preferida no Netflix? Porque ninguém é de ferro, somente o super-herói da Marvel! Logo após, Morpheus estará de braços aberto para embalar sonhos de prosperidade. Você tinha aula na faculdade? Substitua a hora do jantar e as conversas familiares (ao vivo ou internet) e a grade estará ocupada até colocar os pés em casa, então a fome ou sono lhe acompanharão nos minutos finais do dia.

Tabela dos horários preenchida? Segunda regra: reprogramar os hábitos. Se você tem maior disposição para estudar pela manhã, acorde mais cedo. Ao contrário, à noite parece que o conteúdo fixa melhor, durma mais tarde.

Substitua a sua rotina que está na zona de conforto por uma que lhe levará para uma zona de merecimentos. Além disso, aproveite o momento de ócio não só do deslocamento até o trabalho como também durante esta jornada. Resolva questões de provas anteriores. Baixe aplicativos de concursos e OAB para o celular. Feche janelas do navegador que são fuga de concentração. Carregue um livro ou apostila sempre, mesmo que seja no início uma bengala psicológica. Ouça a legislação. Evite alimentação pesada à noite, pois ela não é prejudicial naquele momento, como também pode afetar a manhã do dia seguinte.

Se você incluir duas horas compromissadas de estudos extrajornada além das leituras nos períodos de inatividade, sua aprovação estará bem mais próxima do que imagina! Bons estudos e bom trabalho ou estágio!


Este artigo foi escrito por Marcelo Hugo da Rocha, professor do Saraiva Aprova.

1 comentário em “Como conciliar trabalho e estudos para a OAB?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *