Como avaliar seu desempenho com exercícios para a OAB?

avaliando-seu-desempenho-com-ex

Um dos grandes desafios de qualquer estudante de Direito é a prova da OAB. Passar nesse exame não é fácil, e os índices de reprovação estão aí para comprovar isso. Qual é, então, o grande segredo para obter bons resultados nos estudos e alcançar a tão sonhada aprovação?

Não existe uma fórmula mágica que garanta seu sucesso. Existem, porém, dicas e métodos específicos de estudo capazes de otimizar seu aprendizado. Hoje, vamos falar um pouco sobre a prática de exercícios para a OAB como forma de medir seu desempenho e traçar estratégias de estudos que se adequem ao seu perfil.

Conhecer suas forças e fraquezas é o ponto inicial para melhorar seus rendimentos nos estudos. Continue a leitura deste artigo para descobrir como usar os exercícios e simulados para avaliar seu desempenho e se preparar para a prova da OAB!

Entenda a importância dos simulados

Não é nenhuma novidade que uma das melhores formas de estudar é a prática de simulados e solução de questões das provas anteriores. Isso é válido tanto para quem deseja passar na OAB quanto para aqueles que estudam para concursos públicos.

Ao fazer exercícios, você não está apenas colocando seus conhecimentos em prática. Está também entrando em contato com os padrões de uma determinada banca (FGV, no caso da OAB) e se acostumando com o estilo de suas questões, inclusive com os pesos de cada matéria, sabendo quais costumam ser mais cobradas ou não.

Além disso, os simulados também ajudam a memorizar as disciplinas estudadas e revelam quais são os pontos fracos do candidato. Esperar chegar o momento da prova para descobrir quais são as matérias nas quais você tem mais dificuldade não é uma boa ideia!

Resolver exercícios é a melhor forma de se preparar com antecedência e organizar seus estudos de forma estratégica. Ainda é possível cronometrar os simulados para se acostumar com o tempo limite de 5 horas do exame.

Avalie seus erros e acertos

Depois de praticar com os exercícios e simulados, você terá uma boa base para medir seu desempenho. Esse é o momento de descobrir quais são seus pontos fracos e fortes, ou seja, as matérias que são mais fáceis ou difíceis para você.

Nunca deixe de corrigir os exercícios assim que terminar de fazê-los. “Corrigir” não significa apenas verificar o gabarito: é preciso pegar cada uma das questões individualmente e entender por que suas alternativas estão certas ou erradas.

Use leis e doutrinas para avaliar minuciosamente cada uma das questões, pois é assim que você vai aprender com os próprios erros. Faça isso também com as questões que acertou, mas que ficou em dúvida na hora de escolher a alternativa certa.

Lembre-se de que os exercícios não são métodos exclusivos de estudo, mas, sim, complementares. Não é permitido deixar o Vade Mecum, aulas e apostilas de lado!

Fortaleça seus pontos fracos

Após fazer muitos exercícios para a OAB, avaliando seus erros e acertos, você já terá noção de quais são as disciplinas em que você tem mais dificuldade. Isso é uma questão de estatística. É muito provável que, no dia da prova, essas mesmas questões lhe causem problemas caso você não esteja preparado.

Um dos objetivos principais do estudo por meio de simulados e exercícios é otimizar seu aprendizado em relação a essas matérias. Portanto, faça uma análise de desempenho das questões resolvidas para guiar seus estudos. Dê prioridade aos seus pontos fracos e, posteriormente, resolva mais questões sobre esse mesmo assunto para verificar se você está progredindo ou não.

Por exemplo, se você percebe que tem muita facilidade em Direito Constitucional, porém está errando muitas questões sobre Direito Penal, foque os estudos neste último. Feito isso, resolva outros exercícios para avaliar se o seu desempenho em Direito Penal melhorou. Repita esse processo com todas as matérias que estão jogando sua média nos simulados para baixo.

Com o tempo, seus pontos fracos serão superados, e você terá muito mais segurança no dia da prova. Depender apenas das matérias mais fáceis para ser aprovado é um grande risco. É justamente por isso que essa análise de desempenho é tão importante.

Saiba escolher os exercícios

Agora que você já entende a importância dos simulados e exercícios, é preciso saber como escolher os melhores exercícios para praticar.

Não basta apenas entrar na internet e escolher provas antigas e questões aleatórias para estudar, pois você pode acabar se deparando com temas ultrapassados, cujas leis foram revogadas ou modificadas.

É preciso ter cuidado para escolher questões que estejam de acordo com a legislação e jurisprudência atuais. Caso contrário, você pode acabar se confundindo, e os estudos serão prejudicados.

Como já falamos no início deste artigo, cada banca possui suas peculiaridades e padrões que vivem se repetindo. O ideal é escolher simulados e questões de provas antigas da própria OAB ou, pelo menos, de concursos que foram realizados pela FGV (fundação responsável pela elaboração do Exame da Ordem).

Nada impede que você estude por questões elaboradas por outras bancas apenas para medir seu conhecimento. Porém, dessa forma, você não estará se acostumando com os padrões específicos da OAB, o que pode acabar sendo prejudicial.

Procure também por cursos preparatórios que realizem simulados comentados e corrijam provas dos exames anteriores. Não há nada melhor do que um professor especializado para dar dicas sobre a OAB. Essa ajuda pode ser um diferencial para alcançar a aprovação!

Treine para a 2ª etapa

Para finalizar essas dicas, não podemos nos esquecer da 2ª fase do exame. Se você foi aprovado na 1ª etapa, essa é a hora de intensificar os estudos e se preparar para a prova discursiva.

Como você já deve saber, a 2ª fase consiste na elaboração de uma peça prática e quatro questões discursivas sobre a disciplina escolhida. Para se preparar, basta seguir a mesma lógica da 1ª fase: o candidato pode usar questões das provas anteriores para se familiarizar com seus padrões e ter noção de como funciona o espelho de correção.

Ao treinar as questões discursivas, jamais use o computador! Digitar a peça prática no teclado é muito mais rápido do que escrever de próprio punho. No dia da prova, você terá que resolver tudo à mão. Logo, é preciso se acostumar com isso, até mesmo para gerenciar seu tempo.

É importante também cronometrar seus simulados para a 2ª etapa, pois você terá apenas cinco horas para elaborar a peça prática e responder todas as outras quatro questões.

Ao contrário da prova objetiva, o uso do Vade Mecum é permitido na 2ª etapa. Portanto, é essencial que o candidato saiba manuseá-lo e esteja preparado para encontrar rapidamente as leis, súmulas e OJs que estejam relacionadas à disciplina escolhida. Não dá para perder tempo com essa pesquisa no dia da prova. Por isso, é importante treinar bastante e deixar os temas principais já destacados com antecedência.

Por fim, não treine em folhas de cadernos ou papéis avulsos, pois a OAB possui um caderno de resposta próprio, com linhas e formatação pré-definidas. Você pode encontrar um desses cadernos neste link. Use o modelo próprio para treinar de acordo com os padrões da prova.

Ao colocar seus conhecimentos em prática por meio de exercícios para a OAB, será fácil observar quais são seus pontos fortes e fracos e, dessa forma, você poderá se preparar com muito mais eficiência. Não deixe de aproveitar essa prática para assegurar seu sucesso!

Se você quer saber outras formas de avaliar seu desempenho e reforçar as matérias nas quais tem mais dificuldade, aproveite para saber o que é e quais são os benefícios da aprendizagem personalizada!

Avatar

Autor: Lucas Fernandes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *