5 dicas para escolher a disciplina certa na segunda fase da OAB

2a fase da OAB

Confira 9 dicas para escolher a disciplina certa na segunda fase da OAB!

Passar no Exame da Ordem pode ser uma tarefa estressante, pois não basta que o candidato demonstre ter domínio médio sobre todas as disciplinas estudadas ao longo dos cinco anos do curso de Direito. Ele deve provar ainda que conhece a fundo o que pode vir a ser a sua área de atuação no futuro.

Além de resolver diversas questões objetivas na primeira fase do exame, o candidato ainda precisa escrever uma peça processual e solucionar algumas questões dissertativas na segunda etapa. Porém, como escolher a disciplina certa para essa fase da OAB? O que deve ser levado em consideração?

Para responder a essas perguntas e ajudar a garantir sua aprovação, selecionamos 9 dicas essenciais de como definir qual é a melhor matéria para a segunda etapa do Exame da Ordem. Acompanhe!

O Exame da Ordem

Antes de conhecer as dicas para escolher a disciplina certa na segunda fase, saiba como o Exame da OAB é estruturado.

Primeira etapa

A primeira fase do Exame da Ordem consiste na aplicação de uma prova objetiva com oitenta questões sobre áreas estudadas durante a formação do bacharel. Todas elas têm o mesmo peso e valem um ponto. O candidato deve acertar pelo menos metade da prova para seguir para a próxima fase.

A divisão das questões entre as disciplinas segue, geralmente, a seguinte ordem.

[Imagem do post original]

Segunda etapa

Na segunda etapa, o candidato realizará uma prova discursiva que conta com uma peça prático-processual do cotidiano da advocacia e mais quatro questões abertas.

Como essa é uma etapa com foco muito mais definido, é preciso escolher uma entre as sete disciplinas disponíveis ainda no ato da inscrição. São elas:

  • Direito Administrativo;
  • Direito Civil;
  • Direito Constitucional;
  • Direito Empresarial;
  • Direito Penal;
  • Direito do Trabalho;
  • Direito Tributário.

A segunda prova vale dez pontos: cinco para a redação da peça prático-profissional e outros cinco pontos diluídos entre as questões discursivas que trazem situações-problema exemplificativas da vida do operador do Direito.

Para a realização da segunda fase do certame, é permitida a consulta à legislação seca, sem comentários ou anotações. Nessa etapa, são cobradas leis e súmulas atualizadas, lançadas até a data de publicação do edital da prova. É aprovado quem obtiver pontuação igual ou superior a seis.

É importante saber que, caso o candidato seja classificado na primeira etapa do certame e não consiga pontuação suficiente na segunda, ele não será aprovado. Porém, é possível aproveitar o resultado obtido para o próximo Exame da Ordem, caso em que será realizada apenas a prova dissertativa, sem necessidade de repetir a primeira fase.

Vale ressaltar que vários candidatos alcançam a pontuação necessária na segunda etapa do certame apenas quando pedem que sua prova seja reexaminada. Nesse caso, há a necessidade de apontar que a correção foi equivocada ou demasiadamente rigorosa, e que as argumentações do candidato correspondem àquelas constantes no espelho de respostas da prova.

Dicas para escolher a disciplina certa na segunda fase da OAB

O candidato deve optar pela disciplina logo ao realizar sua inscrição, motivo pelo qual já deve pensar bem para tomar uma decisão consciente, antes mesmo de saber se de fato realizará a prova prático-profissional. É essa escolha que determinará o caminho a ser seguido na busca pela aprovação: se ele for tortuoso, será mais difícil alcançar os seus objetivos.

Por isso, uma escolha certa pode fazer toda a diferença para que o bacharel se transforme em um advogado com registro na OAB. Algumas atitudes são comuns a todo candidato que consegue a aprovação, entretanto, no momento de optar por uma disciplina, veja o que deve ser feito para garantir sucesso!

1. Saiba que não existe uma disciplina mais fácil que a outra

Se você está se preparando para o Exame da Ordem, provavelmente já deve ter se deparado com colegas ou ex-candidatos que insistem em afirmar que uma disciplina é sempre mais fácil na segunda etapa, ou que uma área exige muito mais dos candidatos do que as outras.

Antes de qualquer coisa, precisamos desmistificar esses boatos para que você não caia no erro de escolher a disciplina da segunda fase da OAB pensando apenas no quanto ela pode ser “mais fácil” ou “menos difícil”.

É claro que, realmente, algumas disciplinas geram mais aprovações, enquanto outras possuem um índice maior de reprovação. Mas isso pode ser facilmente explicado por uma análise estatística da quantidade de candidatos inscritos em cada opção.

Se uma disciplina — por exemplo, Direito Constitucional — tem pouquíssimos inscritos, é de se esperar que o seu índice de aprovação seja maior, afinal, aqueles que a escolheram provavelmente tem muito mais familiaridade com a área.

Já outras disciplinas que contam com uma quantidade massiva de candidatos — como Direito Penal e do Trabalho — normalmente possuem um alto índice de reprovação, que apenas reflete a média geral do Exame.

Portanto, esqueça essa ideia de que existe uma área mais fácil que a outra. Para escolher a disciplina certa para a OAB, é preciso considerar as habilidades e interesses subjetivos de cada candidato, e não um critério objetivo.

2. Leve em consideração sua familiaridade com o assunto

Durante os anos da graduação, você certamente se deparou com matérias preferidas e assuntos com os quais teve maior facilidade de aprendizado. Fazer uma autoanálise e compreender quais são essas disciplinas é essencial para uma escolha consciente. A familiaridade pode ser de grande ajuda na realização de uma boa prova!

Escolher uma disciplina que não é do seu interesse, iludindo-se ao pensar que ela é mais fácil ou “menos complicada” que as outras, pode ser um grande equívoco, que acabará acarretando sua reprovação. Afinal, é muito mais agradável resolver uma prova que aborde temas que são do seu interesse do que se deparar com questões que não são familiares.

3. Escolha a área na qual pretende atuar no futuro

Apesar de essa dica ser um complemento à anterior, escolher a disciplina da segunda fase da OAB pensando na sua área de atuação no futuro vai além de simplesmente aumentar suas chances de sucesso. Afinal, essa também é uma forma de já se preparar para situações que vai encarar no futuro.

A própria prova serve como um treinamento para questões que os candidatos deverão resolver durante a sua atuação profissional como advogados. É uma forma de verificar se eles estão realmente aptos a exercer esse ofício tão essencial à aplicação do Direito.

Ou seja, como o Exame da Ordem pretende antecipar situações que o advogado passará a vivenciar em seu dia a dia, vale apostar naquela área com a qual você não apenas possui afinidade intelectual mas também em que você efetivamente pretende trabalhar.

4. Opte pela disciplina cujo sistema processual você domina

Não é nenhuma surpresa dizer que, no Direito, existem diversos sistemas processuais diferentes, como o penal, civil ou trabalhista. Ainda que todos eles tenham alguns elementos em comum, o que mais nos interessa são as suas peculiaridades.

Durante os estudos jurídicos, é comum que alguns estudantes tenham mais facilidade com um sistema processual do que com outros, e isso é de extrema importância na escolha da área para a segunda fase da OAB.

Escolher uma disciplina cujo sistema processual você domina pode ser um fator determinante na sua aprovação. Ainda mais porque, muitas vezes, a prova cobra questões que exigem um conhecimento minucioso do assunto, como contagem de prazo ou tipos de recursos processuais cabíveis em cada caso.

5. Analise o seu histórico acadêmico

Se você ainda não sabe qual é a área do Direito em que pretende atuar no futuro, muito menos quais são as matérias com as quais possui mais afinidade, não se preocupe! Ainda é possível escolher a disciplina certa para a segunda fase do exame baseando-se no seu histórico acadêmico.

Para isso, basta analisar a sua nota média em cada disciplina e verificar em quais delas você se saiu melhor. Por exemplo, se você tem um alto rendimento em Direito Penal, enquanto suas notas em Direito do Trabalho não estão tão boas assim, é de se esperar que você tenha mais facilidade com a primeira disciplina do que com a segunda.

Suas chances de aprovação são bem maiores se você escolher a disciplina em que possui um bom rendimento na faculdade. Afinal, se você costuma tirar boas notas nessa área, isso provavelmente vai ser refletido na sua prova.

6. Considere sua facilidade em se aprofundar nas questões

Uma importante atitude é analisar a sua capacidade de retenção de informação quanto às matérias elencadas como possíveis escolhas para a segunda fase do exame. Por mais que uma disciplina seja do seu interesse, é muito comum sentir dificuldade em memorizar os assuntos relacionados a ela.

Por exemplo, pode ser que você seja apaixonado por Direito Constitucional, e até pense em trabalhar nessa área no futuro. Porém, devido a diferentes razões, você tem muito mais facilidade em estudar Direito Penal, ainda que essa não seja a área do seu interesse para o futuro. Nesse cenário, a segunda opção é a escolha certa para a segunda fase do Exame da Ordem, mesmo não sendo a sua favorita.

Não basta fazer essa escolha pensando apenas nos seus gostos. É preciso também observar o quanto você tem facilidade em compreender o conteúdo da matéria, e isso muitas vezes está vinculado a fatores externos, como a habilidade dos professores em transmitir o conhecimento nas salas de aula, ou até mesmo a didática dos livros utilizados por você.

Como a segunda etapa certamente exigirá um estudo maior na área escolhida, é primordial que você tenha facilidade de se aprofundar nas  questões e, por isso, sua capacidade de retenção de conteúdo deve ser levada em consideração.

7. Considere sua vivência nas disciplinas oferecidas

A vivência deve ser um fator importante no momento de escolher a disciplina certa na segunda etapa: quanto mais o candidato tiver experiência, melhor ele entenderá os processos da área e maior será seu domínio sobre a prática do assunto.

Se você já fez estágio em um escritório de advocacia ou em um órgão público, é muito provável que tenha adquirido bastante conhecimento sobre a área em que atuou. Afinal, quando aplicamos a teoria na prática, somos capazes de ampliar exponencialmente o nosso aprendizado.

Diante disso, é interessante escolher uma disciplina com a qual você já tenha obtido alguma vivência profissional. Os casos vivenciados podem ser parecidos com os apresentados na segunda fase, oferecendo uma excelente base para que você responda corretamente às questões e elabore a peça processual com perfeição.

8. Esteja atento ao índice de aprovação nos últimos anos

A OAB constantemente libera dados e estatísticas referentes a seus exames, como número de aprovados em cada uma das fases, aprovados em cada disciplina e até mesmo reprovados em repescagem. Saber quais matérias têm maior índice de aprovação pode influenciar sua tomada de decisão, confirmando palpites e impressões iniciais.

É essencial relembrar que, ainda assim, não há matéria mais fácil do que a outra: todas elas serão cobradas em um mesmo grau de dificuldade dentro de sua própria área, com questões equilibradas e pertinentes. A ideia de que algumas disciplinas aprovam mais do que outras não passa de um mito. Os índices devem ser um mero guia para orientar uma decisão racional.

Ou seja, para escolher a disciplina certa, você deve considerar principalmente os aspectos subjetivos mencionados anteriormente. Caso ainda esteja em dúvida entre duas disciplinas diferentes, a análise estatística do exame pode ser útil para finalmente escolher aquela que tem maiores chances de aprovação.

9. Prefira não mudar de área em novas tentativas

É mais comum do que se imagina um candidato ser aprovado na primeira fase e reprovado na segunda, motivo pelo qual vai para a repescagem, aproveitando o resultado da primeira etapa no próximo Exame da Ordem a ser realizado.

Nesse caso, o mais indicado é que o candidato mantenha a opção de disciplina escolhida no exame anterior. Afinal, ele já terá maior domínio sobre o assunto e não terá que começar mais uma vez do zero.

Além disso, é possível analisar quais foram seus erros e acertos, direcionando os estudos justamente para os pontos em que teve desempenho mais fraco na prova. Por já ter passado pelo exame uma vez, o candidato já sabe como funciona e, assim, tem uma noção do que o espera na segunda tentativa.

Com essas dicas, fica muito mais fácil escolher a disciplina certa para a segunda etapa da OAB. Lembre-se principalmente de que essa decisão deve se basear sobretudo em critérios subjetivos, e não em um senso comum!

Se você gostou deste post e quiser ficar por dentro de outras dicas que vão ajudá-lo a alcançar a tão sonhada aprovação na OAB, aproveite para assinar a nossa newsletter e receber todas as novidades do blog diretamente por e-mail!

Cancelar

4 comentários em “5 dicas para escolher a disciplina certa na segunda fase da OAB”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *